Por Alessandra Gaspar Costa, da APCER Brasil, serviços de certificação, auditorias e treinamento.

A redução nas emissões de carbono é um tema de relevância mundial desde o Acordo de Paris e, mais recentemente, a COP26 colocou em destaque o tema da regularização do Mercado de Carbono. Entretanto, dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) no início de maio, apontam que 45% das empresas entrevistadas possuem pouco ou nenhum conhecimento sobre o conceito Pegada de Carbono – primeiro passo para estipular metas e reduzir emissões.

O Brasil estipulou – em novembro de 2021 – uma redução de 50% nas emissões de GEE a ser alcançada até 2030, além de ser um dos países mais promissores no Mercado de Carbono, com potencial de US$ 100 bilhões até o mesmo ano. Porém, o desconhecimento das empresas acerca do tema acende um alerta.

No dia 19 de maio, o Governo Federal publicou o Decreto nº 11.075, regulamentando o Mercado de Carbono no Brasil, focado em exportações de créditos de carbono. O decreto estabelece procedimentos para a elaboração dos Planos Setoriais de Mitigação das Mudanças Climáticas e a criação do Sistema Nacional de Registro de Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa – SNRI-GEE, órgão responsável por registrar e analisar a credibilidade dos projetos de redução, inclusive para as transações nacionais e internacionais de créditos de carbono do país.

Uma tonelada de GEE não lançada a atmosfera equivale a um crédito de carbono, “moeda” que pode ser negociada com governos, empresas e/ou pessoas físicas, que possuem metas obrigatórias de reduções (leis ou tratados internacionais, como o Acordo de Paris) e não conseguem fazer a redução.

Para as organizações que desejam contribuir com a meta estipulada e entrar nesse mercado bilionário, é necessário calcular sua Pegada de Carbono, uma metodologia que nasceu para medir a emissão de gases de GEE de um indivíduo, evento, organização ou produto.

Ter conhecimento das emissões de GEE e calculá-las passa a ser indispensável para que a sua redução aconteça, desacelerando o aquecimento global e melhorando a vida no planeta. Para o cálculo da pegada de carbono, a APCER Brasil utiliza as medidas internacionais ISO 14064 e GreenhouseGasProtocol, criando assim uma base para estabelecer estratégias que reduzam ou neutralizem emissões de GEE e colocam o Brasil neste mercado promissor.

*Alessandra Gaspar Costa é diretora executiva da APCER Brasil, uma empresa de origem portuguesa, reconhecida mundialmente como um dos principais prestadores de serviços de certificação, auditoria a fornecedores, auditoria interna e treinamento. A organização oferece soluções de valor a instituições de qualquer setor de atividade, permitindo que se diferenciem em um mercado cada vez mais complexo e em constante mudança. Conheça mais sobre os serviços oferecidos em: https://apcergroup.com/pt-br/