Foto: Divulgação

A população de baleias-jubarte tem aumentado significativamente nos últimos anos no Atlântico sul ocidental (onde se localiza a costa brasileira). Uma das consequências disso é o reaparecimento desses animais em locais onde sua observação nas últimas décadas era pontual e não sistematizada, fazendo-se necessária a coleta científica das informações relacionadas à dinâmica dos grupos na costa paulista.

Em Ilhabela, litoral norte do estado, quem está realizando esse trabalho é o Viva Instituto Verde Azul, em parceria com o Projeto Baleia à Vista e Projeto Baleia Jubarte. O Instituto afirma que nos 20 primeiros dias de observação e 88 horas de amostragem foram avistadas 192 baleias, com uma média de avistagem de 2,18 indivíduos por hora, o que significa que não são 192 baleias diferentes.

Segundo uma das biólogas do Instituto, Marina Leite, o objetivo da  pesquisa é entender a dinâmica dessa recente ocupação na região de Ilhabela e, através dos resultados obtidos, propor estratégias de minimização de impactos das ações antrópicas, principalmente a pesca (emalhamentos), atropelamentos por embarcações e turismo desordenado.

A bióloga afirma que a presença de jubartes na região pode ser um aspecto positivo para a comunidade local e para isso é importante que o trabalho de conscientização ambiental seja conduzido conjuntamente com a pesquisa.

A expectativa dos pesquisadores é de que esse surgimento não seja episódico e possa ser observado nos próximos anos.

A jornalista Sabrina Pires, parceira do Ecoinforme, e criadora do canal “E aí, bicho?” esteve em Ilhabela e acompanhou o trabalho das pesquisadoras pessoalmente, veja o vídeo:

Marcio Motta, especial para o ECOinforme