Raridades registradas na reserva Legado das Águas serão estudadas pelo Instituto Manacá

A anta albina é uma espécie rara de ser encontrada, isso porque existem poucos animais no mundo com o nível de melanina tão baixo ao ponto de perderem a pigmentação da pele e dos pelos, mas a reserva florestal Legado das Águas,na região do Vale do Ribeira, em São Paulo, flagrou duas antas albinas macho pelas câmeras de pesquisa.

A pesquisadora do Instituto Manacá, Mariana Landis, que estuda as espécies da reserva, explica que este fenômeno acontece quando o pai e a mãe têm gene que causa a falta de pigmentação e passa para os filhos. É uma condição hereditária e difícil de acontecer.

“É possível dizer que a incidência de animais albinos no mundo é baixa. Mais raro ainda são os dois indivíduos que possuem o gene se encontrarem em uma floresta, principalmente nas que possuem grandes áreas”, disse Mariana.

Conforme a pesquisadora, há chance de esses animais terem algum grau de parentesco e serem as únicas antas albinas no mundo vivendo em habitat natural.

Agora, biólogos da região estudam os machos, apelidados de Gasparzinho e Canjica, para saber se eles realmente são parentes, fazendo análise dos pelos.

“Instalamos uma espécie de coletora de pelos, feito com arame e instalado nos pontos que eles mais frequentam, conforme observamos nas câmeras de monitoramento da floresta, para analisar o grau de parentesco deles”, completou a pesquisadora.

Fotos: Luciano Candisani