Nosso colaborador, o biólogo e fotógrafo Marcio Motta participa da formação de monitores no Parque Estadual Xixová-Japuí

Tive a satisfação de colaborar com a formação da equipe de monitores ambientais da unidade de conservação Parque Xixová-Japuí, entre São Vicente e Praia Grande, no litoral paulista, unidade estadual criada em 1993 com 900 hectares, abrigando fragmentos de Mata Atlântica, mata de encosta, costões rochosos, restinga, praia arenosa e o ambiente marinho, que ocupa cerca de 1/3 da área do parque

Recentemente a gerência do parque iniciou um curso de formação de monitores ambientais, convidando moradores das áreas de entorno e regiões vizinhas para formar a equipe de monitores autônomos (autodenominados “Econativos“), que são autorizados, após capacitação, a acompanharem grupos em atividades e roteiros dentro do parque. As disciplinas do curso envolvem conhecimentos teóricos e práticos sobre biologia, ecologia, etnobiologia, zoologia, história, antropologia, botânica, turismo, entre outros. Sabendo disso, pensei na possibilidade de oferecer um curso básico de fotografia de natureza e a gerência do parque aceitou.

Monitores Econativos
O curso forneceu noções fundamentais da fotografia de natureza através de uma reflexão sobre a fotografia como linguagem e o impacto disso no cotidiano e como isso poderia ser trabalhado em ambientes naturais, utilizando o equipamento que cada um possui (câmera fotográfica ou celular). Além disso, trazer os principais elementos visuais (forma, padrões, cores, linhas, textura, entre outros) através de exemplos fotográficos relacionados à natureza.

O próximo passo com o grupo é aprofundar o entendimento de alguns fundamentos de composição e exposição, bem como praticar com câmeras fotográficas Digital Single Lens Reflex, para que possam entender semelhanças e diferenças de ambos equipamentos (celular e câmera), aumentando assim as possibilidades de projetos que podem desenvolver futuramente, seja mostrando seu olhar sobre o parque e o entorno tanto para os visitantes presenciais quanto virtuais. Minha expectativa é que todos, a partir de agora, percebam que com a fotografia abriu-se mais uma possibilidade de se comunicar com as pessoas e mostrar a elas um pouco da visão de cada um sobre a natureza que está tão próxima, mas muitas vezes não as toca.

Um agradecimento especial à todos a equipe do PEXJ, principalmente Alexandre Pena, que desde o primeiro momento apoiou esta e outras iniciativa no parque.