Uma visita à produção de shimeji em Mairiporã

3286
45277

shimeji01

Branco, cinza, preto, salmão, cada um com sua consistência e sabor, o shimeji, terceiro cogumelo mais consumido no mundo, empresta o seu paladar a vários pratos da culinária brasileira, é consumido refogado na manteiga, temperado com shoyu ou como a sua imaginação mandar.

O aumento da procura por esse alimento, que pode reduzir o colesterol e prevenir doenças hepáticas, provocou o surgimento de inúmeras produções, uma das quais visitadas na semana passada pela equipe do ECOinforme. Conhecemos a produção de shimeji branco de José Carlos Vieira Pereira, em Mairiporã, a 60 km de São Paulo, de onde saem por mês 1,5 tonelada de compostos ensacados para outros pequenos produtores e shimeji embalado para restaurantes, mercados e entrepostos.

A produção de José Carlos é feita com um cuidado invejável, tudo orgânico, sem agrotóxico, usando bagaço de cana na composição dos sacos para a inoculação das sementes, que serve de adubo para hortas da região.

shimeji02

Montanhas de bagaço sapo reservadas para “curar”, criando a bactéria “termófila”, que deixa o composto a uma temperatura de 70 graus centigrados. Dali,o material vai para a pasteurização, a 90 graus, permanecendo durante cinco dias. Nesse período, são eliminadas as bactérias nocivas à produção e o composto fica pronto para ser ensacado e inoculado.

O composto começa produzir após 15 a 20 dias, ficam reservados numa área coberta, fechada, longe do calor. O local é regado diariamente, mas os sacos não são molhados. Apenas a atmosfera do local deve estar sempre úmida.

shimeji03

Na primeira brotação os shimejis são colhidos por três dias, duas (ou três) vezes por dia. A segunda brotação acontece 15 dias depois e cada composto tem potencial para três a quatro colheitas.

Além da comercialização dos cogumelos, José Carlos vende o composto para produtos, entre 400 e 800 sacos por mês. Cada saco, que pesa sete quilos, produz 1,4 kg de shimeji, que é vendido ao mercado por R$ 12,00 e ao consumidor final por R$ 20,00

O ECOinforme vai iniciar uma produção experimental, com 12 sacos.Em quinze dias devemos colher os primeiros frutos e vamos revelar aqui os resultados dessa empreitada.