Noruega vai eletrificar o parque automotivo

2009
15743

– Medida é necessária para atender a política climática; carro a combustão será proibido a partir de 2015

Metade de todos os veículos automotores vendidos na Noruega este ano são elétricos ou híbridos (dados do primeiro bimestre). O comportamento do consumidor não é obra do acaso; as autoridades do país sinalizam para a proibição total da venda de carros com motor a combustão a partir de 2025. A proibição, a rigor, será para veículos movidos unicamente a combustíveis fósseis, o que excetua os híbridos, cujo sistema admite um motor a combustão e um elétrico, funcionando conjuntamente, o que reduz em cerca de 70% o consumo de gasolina.

“O setor de transporte é o maior desafio da política climática para a próxima década. Devemos reduzir as emissões em ao menos 40% e isso só é possível eletrificando o parque automobilístico”, disse o ministro do Meio Ambiente da Noruega, Vidar Helgesen, em nota à imprensa.

O crescimento das vendas de elétricos e híbridos na Noruega está ancorado em dois pontos: 1) o avanço da tecnologia, que por um lado consegue obter autonomia de rodagem cada vez maior: hoje, um carro elétrico pode rodar mais de 250 km com um carregamento e, por outro, a redução do tempo de recarregamento, que pode ser de 30 minutos para uma carga total. 2) o estímulo do governo a veículos limpos, com a política de redução ou até eliminação total dos impostos num primeiro momento, além de pedágios e estacionamentos gratuitos.

Um de cada seis carros vendidos este ano na Noruega é elétrico puro e dois híbridos, entre os mais vendidos estão o Tesla Model S, o Golf e o Outlander.
Com isso, a frota de carros limpos no país deve quadruplicar em quatro anos, o que resulta na redução de um milhão de toneladas de C02 jogadas na atmosfera a cada ano. Hoje já existem 100 mil carros elétricos em circulação. Mesmo com um parque automotivo pequeno, a Noruega tem a quarta maior frota de carros elétricos do mundo, ficando atrás apenas dos gigantes Estados Unidos, China e Japão.