Morte em massa de botos-cinza preocupa pesquisadores

0
21403
Foto: Instituto Boto Cinza

Virose dizimou 170 de uma população de 800 indivíduos em Sepetiba. Por Marina Marques (*)

A situação dos botos-cinza (Sotalia guianensis) na Baía de Sepetiba, no litoral fluminense, não está nada fácil. A morte em massa desses mamíferos continua preocupando os pesquisadores, sendo a morbilivirose uma das causas de morte de mais de 170 botos-cinza que ocupam essa área.

Considerando que a população estimada dessa espécie na região (que concentra a maior população de botos-cinza do planeta) é de 800 indivíduos, perdeu-se em menos de dois meses mais que 21% de todo o grupo.  É a primeira vez que um surto deste vírus é detectado na América do Sul.

Em 2013, esse mesmo vírus matou centenas de golfinhos na costa leste da América do Norte, aumentando a mortalidade nove vezes em relação ao que se espera normalmente. Esta doença foi descoberta nos golfinhos pela primeira vez no início da década de 1980, e em 1987 cerca de 700 animais morreram em sua consequência nessa região.

Algumas espécies de morbilivirus mais conhecidas são o sarampo nos humanos, cinomose em cães e focas, e doença renal em gatos.

Foto: Instituto Boto Cinza

É possível que pela ação do vírus, que compromete a imunidade dos golfinhos, outras doenças podem estar associadas. O vírus é transmitido preferencialmente por vias respiratórias e contato direto entre os animais. Como não há vacinas ou medicamento antiviral, não há como parar a disseminação, por isso provavelmente mais animais serão infectados e morrerão.

Não há relatos que o morbilivirus infecte seres humanos, porém para proteção dos animais, se encontrá-los vivos é preciso manter distância, pois eles já estão debilitados pela doença. Morto, não pode ser tocado. Nesse caso, o melhor é entrar em contato com Instituto Boto Cinza, fones (021) 997840777 e (021) 23340795

Informações do Maqua Uerj – Botos, Golfinhos e Baleias e do Laboratório de Patologia Comparada da FMVZ/USP.

(*) Marina Marques é bióloga, pesquisadora do Viva Baleias, Golfinhos e Cia e colaboradora do Portal ECOinforme