Projeto ensina como evitar desperdício de água

0
3700

Projeto Ambientação leva à economia de 698 milhões de litros de água e dá consciência ambiental aos municípios da região de Campinas

Muito bacana o Projeto Ambientação que a Fundação Toyota faz na região de Campinas, incentivando as prefeituras a avaliar e medir os impactos em todo o processo do ciclo do consumo de água em edifícios públicos.

Em oito anos de atuação, as ações coordenadas pelo Projeto levaram a uma economia de 698 milhões de litros de água potável.

Seis, dos 29 trabalhos avaliados pelo projeto, foram submetidos à aprovação por um júri formado por representantes da Fundação Toyota, gestores públicos da região e jornalistas, no dia 17 de agosto, na Escola Ambiental de Indaiatuba.

A parceria da Fundação Toyota com a Fundação Espaço Eco mostra os reais impactos alcançados pelo Projeto Ambientação, que por meio de uma metodologia da Toyota (*), propõe soluções para a economia de água e energia e gerenciamento de resíduos. O volume de água economizado nesse período equivale a 3,4 milhões de ciclos de um lava roupa por ano, água suficiente para lavar a roupa de 268 mil pessoas, o que equivale a 33% da população de uma cidade como São Bernardo do Campo.

“Esses resultados mostram de forma mais palpável as reduções que temos conquistado a cada ano. Não se trata apenas de economia. É educação ambiental, consciência, transformação pessoal e social”, disse Elaine Marques, coordenadora do Projeto Ambientação.

A Organização das Nações Unidas – ONU anunciou que mais de 2,7 bilhões de pessoas deverão sofrer a falta de água em 2025 se o consumo do planeta continuar nos níveis atuais. O estudo atribui essa condição à má administração dos recursos, à mudança climática e ao aumento da população.

Os servidores de seis cidades (Campinas, Indaiatuba, Vinhedo, Valinhos, Jaguariúna, Itatiba) apresentaram os seus casos, a maioria de resoluções simples, que mostraram a necessidade de um olhar mais atento ao desperdício e soluções que indicam a necessidade de informações obtidas aos usuários: um vazamento na descarga do banheiro, o desperdício, uma falta de atenção no consumo exagerado.

São ações que podem, – e devem – ser feitas no dia a dia e que normalmente são desconsideradas.

O projeto incentiva a observação no dia a dia das comunidades e propõe soluções que beneficia, o meio ambiente, a economia de recursos naturais e verbas públicas. Dinheiro que pode ser mais bem destinados à população e economizar recursos públicos.

O estudo da Fundação Eco identificou também que por meio do projeto foi evitada a emissão de 306 toneladas de CO2 na atmosfera, e em relação à redução energética gerou uma economia equivalente ao consumo de 476 residências.

No encerramento das atividades de avaliação dos trabalhos na Escola Ambiental, em Indaiatuba, o presidente da Anama, associação órgãos municipais de meio ambiente, Rogério Menezes, que é secretário de Meio Ambiente de Campinas, falou da importância da parceria com a Fundação Toyota e enalteceu a participação dos servidores, destacando que, no Brasil, há um imaginário de que destinamos muito gasto com servidores. “Isso não é verdade, disse o secretário – pois o País destina apenas 16% dos seus recursos com o pagamento de servidores em todas as esferas, enquanto países desenvolvidos aplicam entre 18% e 35%”.

“O servidor público não é o problema, ao contrário, é parte da solução”, encerrou o secretário de Meio Ambiente de Campinas.